SobreSites > Design > Artigos > Considerações sobre a influência da informática no trabalho do designer
Página Inicial do Guia
Produção Gráfica
Design Industrial
Materiais Industriais
Tecnologia
Revistas
CAD/Prototipagem
Design Gráfico
Web Design
Sites Experimentais
Tipografia
Fóruns e Listas
Cursos
Design Social
Artigos
Banco de Imagens
Fale com o Editor
Outros Guias
· Publicidade
· Artes Plásticas
· Anime
· Todos os Guias
 Design
Eduardo Vieira
Editor do seu Guia de Design na Internet
Pesquisa personalizada
ARTIGOS

Considerações sobre a influência da informática no trabalho do designer

O texto abaixo serviu como base para uma entrevista concedida à
Carolina Silveira, publicada no caderno “Estágios e Carreiras”do jornal 'O Dia' em 09 de fevereiro de 2005. A tecnologia e processos produtivos estão em constante desenvolvimento, e o design sempre procurou acompanhar e se adaptar a essas condições. Diante desse processo evolutivo, e inserido num contexto de questionamento da situação atual, o texto trata de uma questão que vem à tona nesses tempos cada vez mais modernos: a influência da informática no Design.

 

Qual é o espaço que a informática ocupa na sua profissão?
Atualmente, é cada vez mais difícil  separar a informática do design. A partir da geração de um conceito, de uma idéia,  todo o processo de reprodução e materialização da mesma (que antes era feito de maneira mais artesanal), antes da mesma ser e difundida no mercado, hoje é feito no computador. A informática trouxe mais recursos e agilidade para essa etapa de confecção daquilo que foi projetado pelo designer. E, à medida que ela me auxilia na obtenção de informações, posso dizer que ela também influencia meu processo de criação. Gosto de rascunhar idéias no papel, mas todo o processo restante, de exploração, geração de alternativas e finalização dessas idéias  utiliza os inúmeros recursos que a informática oferece.

 

O que mudou após a introdução da informática na profissão de designer gráfico?
Direta ou indiretamente, todo o processo de criação e realização de um projeto foi otimizado.

Atualmente, o designer tem mais velocidade para pesquisar usando a internet, buscar, preparar ou confeccionar imagens e ilustrações, e muito mais agilidade e controle para finalizar seu trabalho ao se utilizar dos vários softwares que auxiliam a edição de imagens, o desenho de ilustrações em 2D e 3D e editoração eletrônica.
  É possível se obter mais informações, e isso influencia o processo de criação.Há mais possibilidade de se gerar mais alternativas e idéias e muito mais agilidade para finaliza-las e colocá-las em prática.

Este fato implica um novo tipo de postura profissional. Em meio a tantas possibilidades e alternativas, muitos designers utilizam as ferramentas de informática como manifestação da criatividade estética, empregando-as como potencial de criação, e não simplesmente como recurso para a reprodução.
 

Quais os meios que você utiliza para se manter atualizado diante da constante evolução mercadológica da Informática?
O único meio que consegue acompanhar essa evolução é a internet. E é dela que eu me utilizo para pesquisas, análises, estudos e identificação de tendências. Outros meios apenas complementam o grosso da informação que obtenho navegando na web. Em algumas áreas do design, principalmente aquelas mais voltadas à internet ou que lidam com tecnologia, essa atualização segue num ritmo ainda mais frenético, e o designer deve ter o cuidado para se manter informado sobre as versões mais recentes de softwares ou de meios e linguagens que ele possa se utilizar em seu ofício.

 

Que perfil um designer gráfico deve ter? E de que forma ele pode se preparar para ser um bom profissional?
O design se manifesta, principalmente, através de duas qualidades: funcionalidade e estilo. As pessoas sempre associam design ao bom gosto, a algo bem feito. Os melhores recursos que temos para descobrir o design são os nossos sentidos, principalmente a visão e o tato, empregados no uso de produtos ou serviços.

 

Desse modo, o designer deve procurar apreender, de maneira sensível, tudo aquilo que rodeia o ser humano. Se ele apresentar aptidões de natureza intelectual como raciocínio abstrato, raciocínio espacial, senso artístico, criatividade e espírito de observação, provavelmente terá oportunidade para um melhor desempenho profissional. Assim como para o Programador Visual, essas características são necessárias ao Desenhista Industrial de Produto.

 

Para ambas as habilitações (Programação Visual e Produto) são necessárias uma boa dose de criatividade, imaginação e muita pesquisa e informação. Entre outros requisitos, o interessado deve dominar o inglês, a informática e conhecer outros idiomas para absorver informações de publicações da área. Também é preciso ser sensível a informações visuais, presentes nas áreas da fotografia, cinema e artes plásticas.

 

O designer também deve ter métodos de trabalho, disciplina e conhecimento técnico e cultural exercitando a observação e o olhar crítico, pois estes proverão mais recursos para se gerar uma solução. Não são necessários grandes conhecimentos de desenho, ao contrário do que muitos pensam. É preciso que se saiba representar e expressar graficamente uma idéia. Com o advento de computadores, gerar uma imagem ou ilustração não exige tanta habilidade manual do designer.

 

O trabalho do designer implica constantes reajustes a situações novas, originadas muitas vezes da evolução tecnológica. Isso  exige que o profissional apresente como traços de personalidade um certo dinamismo para acompanhar essas mudanças.

 

Projeto SobreSites | Sala de Imprensa | Usabilidade
Política de Privacidade | Condições de Uso | Torne-se Editor