Fórum de Poesia
 Regras do Fórum  .  Busca  .  Membros  .  Grupos  .  Cadastre-se   .  Perfil   Login
ANDITYAS SOARES DE MOURA: A POESIA DE XOSÉ LOIS GARCIA Exibir próxima mensagem
Exibir mensagem anterior
Autor Mensagem
Luiz Alberto Machado



Mensagens: 1379

MensagemEnviada: Sex Abr 15, 2005 8:14 am Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

LAS SAUDADES DE XOSÉ LOIS GARCÍA*

Por Andityas Soares de Moura,
autor de A LETRA E O AR:
PALAVRA-LIBERDADE
NA POESIA DE
XOSÉ LOIS GARCÍA
(Universitária: Lisboa, 2004)

La poesía gallega y la brasileña tienen una semejanza importante: ambas son
jóvenes, si las comparamos con otras tradiciones.

La poesía brasileña sólo comienza verdaderamente a nacer, así como la
gallega, gracias al influjo del romanticismo, que en Galicia fue algo
tardío. Galicia, debido a circunstancias muy diferentes, solamente vio
florecer su poesía con el Rexurdimento. De esta manera, la poesía
específicamente gallega se inicia con Rosalía, Curros y Pondal, los tres,
además, importantísimos en la poética de Xosé Lois García.

Igual que la brasileña, la poesía gallega es, en su origen, poesía de
colonizados. Pero la semejanza entre la poesía brasileña y la gallega para
ahí. Las experiencias artístico-literarias por las cuales los países
europeos pasaron a lo largo de siglos fueron todas reproducidas en Galicia,
que por entonces se vivenciaba el placer de crear por la fuerza del verso. Y
para volver al escenario a un más excitante, expresiones típicamente
gallegas surgirán y se sumarán a las vanguardias y a los anacronismos, ambos
activos (y productivos) al mismo tiempo, por veces en un mismo poeta o hasta
en un mismo poema. Poesía social, neotrovadorismo, poesía erótica-amorosa,
surrealismo, poesía rural, poesía urbana, etc
Es en esta maraña de voces, cánticos, gritos y susurros se localiza la
poesía de Xosé Lois García, cuya propuesta inicial está marcada por una
nítida inclinación social, a la manera de lo que por entonces se tenía como
lo mas característico de la poesía gallega. Pero no podemos olvidar que en
1972 García escribió una de sus obras más felices, «Cancioneiro de Pero
Bernal», publicada apenas en 1988 debido a problemas con la censura
franquista. En ese libro es extraordinario como García comprende a fondo la
lección de los trovadores y juglares galaico-portugueses, que a partir de
entonces, con mayor o menos destaque, estarán siempre presentes en sus
composiciones.

La tierra, el amor, la muerte y la lengua, materias comunes de la poesía
gallega, también son compendiadas de forma específica y variada por García a
lo largo de tres décadas de trabajo poético. Pero no exageremos. El autor no
se olvida del contenido en ningún momento y tampoco deja de preocuparse con
el contenido gráfico y formal del poema, sin que su capacidad de emocionar y
de impactar fueran reducidas. En su obra hay, por lo tanto, una productiva
tensión entre la letra y el aire. El poeta reivindica una plena libertad
para sus composiciones. La poesía de García se modula así en el encuentro
entre la forma y el contenido, con lo que el poeta se siente libre para
inventar: palabra-libertad.

En el universo poético de García se localizan dos preocupaciones universales
que asedian a todos los hombres: el amor y la muerte, que en el fondo son
una única cuestión que nosotros no podemos descubrir. ¿Cómo no pensar cada
día en la finitud, observando el paso del tiempo, el resurgir de nuevos
hábitos y la desaparición de aquello que se amó? Todo hombre piensa en la
muerte, aún que eso no le ayude a morir bien, como prueba la desunión entre
la obra y la vida de un poeta de primera magnitud como Rainer Maria Rilke.
¿Y el amor? Es una realidad incorpórea, sol frío que brilla en nuestras
palpitaciones y que rige todo el universo, conforme a la lección final de
Dante. No solamente el amor sensual y sexual, sino el sentimiento de
pertenencia y familiaridad que guardamos en relación a los hombres y a las
cosas, pues también es posible amar una cosa: un río, un paisaje, un
recuerdo. El amor es ese misterio que nos hace existir.

Aún que en el común de los días las enormes tareas cotidianas, los trabajos
repetitivos y el monótono engranaje de las horas insistan en transformarnos
en autómatas, aún así guardamos la exacta medida de lo que somos y podemos
ser en una llaga secreta llamada poesía. Es en ella que reencontramos la
muerte y el amor. Thanatos y Eros. La misión de la poesía - si es que tiene
alguna - es mantener nuestra humanidad, lo que significa conservar la
individualidad de cada hombre sin que pierda su carácter como parte de un
colectivo que debe ser plural. Y ese encuentro entre amor y muerte es la
divisa principal de la poesía de Xosé Lois García, ya lo dijimos.
Al vivenciar el amor y la muerte en sus poemas, inicialmente los trataba
como entidades separadas, pero a lo largo de su discurso poético comprende
que no son cosas diversas: son caras de la misma moneda, esa moneda a la
cual nosotros - lusófonos y gallegos - damos un nombre que puede parecer
intraducible para las otras lenguas: saudade, especie de amor universal y
abstracto por las cosas que pasaron, que pasan y pasarán. Tener saudade es
reconciliar la máxima vida - el amor - con la negación de esa misma vida -
la muerte - teniendo como resultado un sentimiento crepuscular de dulce
ausencia.

Un poema es como un árbol: tiene que fructificar, si no sólo da sombra. En
este mundo de hoy necesitamos de luz y fruta dulce, no de sombra, pues los
oscuros imperios ya la tienen generado exageradamente. La lectura de la obra
de un autor como el gallego Xosé Lois García es una oportunidad para, más
que celebrar las innumerables semejanzas entre culturas diversas, subrayar y
cantar las diferencias. En estos tiempos sombríos en los cuales toda
diferencia es tachada como peligrosa y, por lo tanto, merece ser destruida,
la afirmación de que en nuestra igualdad reside nuestra irreductible
diferencia es un acto de coraje. Hacerse humano es ser igual, pero también
diferente. Nadie muere dos veces, cada cual tiene su propia muerte,
libertadora o terrible. Nadie ama dos veces, el amor es siempre un sol que
se expande, pero es siempre el mismo sol. Tenemos nuestros amores, nuestras
muertes, nuestras diferencias. Pero es en la saudade universal de un futuro
que no llega que aprendemos a ser hermanos, que aprendemos a ser iguales en
nuestras particularidades.

POEMAS DE XOSÉ LOIS GARCIA

Xosé Lois García

__________________________________________

Siembre hablaré de la isla de los amores



Siempre hablaré de la isla de los amores
y, también, de Airam;
de su tierna melancolía,
nacida entre estelas y clorofila,
para ser en mis vísceras ámbar.

Solamente evocaré a Airam
cuando esté en sus dominios
que ella tiene en el mar.

Ahora, ciertamente, se que Airam
es la nueva diosa de la conquista
de este laberinto majestuoso
hecho de ola y roca
donde cabalgan, libres,
grisáceas nieblas
sobre potros de espuma.

Hablaré de un navío de cal,
donde giran mis miradas
como simples aves acrobáticas
que buscan otro áureo atardecer.

Le anunciaré caminos y encrucijadas
de este antiguo reino que es de Airam.

_____________________________________________-


Yo observaba como dormías en tu lecho



Te imaginaba morando en el centro de la tierra
incendiando el habitáculo con tus palabras.

En esa mortaja, madre, no te observé muerta.

No consiento que la muerte separe de ti
esta tierra interior
desde siempre fresca y de profunda sabiduría
para sustentarme con el delirio de tu vida.

Yo miré como dormías en tu lecho, madre:
alegre, fulgorosa y con vestidos de viajera;
con rostro inocente de niña adulta.

No estabas muerta, solamente soñabas
con otro perfume para mi corazón.

Tus manos reposaban en secreto
y pensé que había roto otro vidrio,
que tenía trillado los pantalones de pana,
que tenía perseguido y maltratado a la Turca.

Pensé huir, llorar y pedir consuelo
pero tus manos, madre,
eran parte de mí tiempo irreflexivo.

Yo nunca sintiera garzas resplandecientes
murmullar en tus labios,
con todo el fulgor que promete la vida.

Luché contra el llanto que me envolvía
y pensé en tus palabras, madre:
«esta es la Tierra que no amortaja a la vida».

La muerte siempre fue comprendida en esta Matria
y empecé a compartir tu secreto;
a reírme de los lamentos de las plañideras,
y a no acreditar que estuvieses difunta.

En aquella noche de Marzo, los dos solos:
yo hablaba y tu me escuchabas muda
y pronto me sentí adulto
que ya tenía tu permiso para andar de noche,
contar las estrellas
y escuchar el piar fúnebre de los mochuelos.

Pensé que en todo tu silencio
necesitabas cambiar de morada;
tener un aposento en tierra trabajada,
conocer la fertilidad de las cenizas
confraternizar con áureas vidas silenciosas
para decirles a los dioses etéreos:
vengo a mostraros la canción de amor
que adormecía a mi niño.

Aún estoy escuchando, madre, tu voz zalamera:
«Duerme mi condenación; sueña con los jilgueros».

_____________________________________________

Cuando regrese al suburbio



Cuando regrese al suburbio
te hablaré de la isla de Sicilia
y del cuerpo de Giovanna;
de la sombra de los olivares
y de la danza de los delfines.
De las costumbres y placeres
de Giovanna te hablaré.
Sílaba a sílaba, describiré
las dobleces de sus dedos,
el secreto de sus labios
y el volumen de sus piernas.


_______________________________________

Xosé Lois García Fernández (Lugo, 1945) es licenciado en Geografía e
Historia por la Universidad de Barcelona, donde vive actualmente y dirige el
Archivo Histórico Municipal de Sant Andreu de la Barca. Algunos de sus
libros de poemas son Paixón e rito (1993), Círculo de luz e xisto (1994),
Rosto incompleto (1996), Falo de Baco (1998); O som das águas lentas (1999)
y Sambizanga (1999). Las traducciones del gallego son del propio autor.

-*-

*ARTIGO PUBLICADO NA REVISTA DE POESÍA "ARQUITRAVE" Nº 17, FEBRERO DE 2005.
Ver o perfil de UsuáriosVisitar a homepage do Usuário
Ribeiro Halves



Mensagens: 4
Localização: Recife PE Brasil

MensagemEnviada: Sex Mar 10, 2006 5:23 am Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Muito poderíamos aprender, como brasileiros, com o maior contato com o universo galego. A Galícia é mais próxima de nós, mental e historicamente, do que imaginanos. Isso também repercute na poesia.
Como tão bem está expresso no texto de Antyas Soares de Moura, a nossa poética é muito próxima. Isso não se deve ao fato de partilharmos um mesmo patrimônio cultural ( nosso imaginário e histórias comuns ) ? Nascemos de um mesmos cadinho cultural ? Não seria a hora de, nós poetas, reivindicamos ( entre outra reivindicações legítimas ) a tradição galega ? Não seríamos na alma, como brasileiros, poéticamente luso-galegos ?
Fica aqui uma provocação e evocação: não estaria na hora de estabelecermos laços, mais que espirituais, com a poética luso-galega ? Não seria oportuno, no forum, um espaço de conhecimento e intercâmbio cultural ( poético ) com a tradição galega ( seus poetas e poética ) ? Ainda mais agora que a Galícia reivindica participação na comunidade lusofônica ! ! !
Pensemos no assunto.......

Ribeiro Halves
Ver o perfil de UsuáriosVisitar a homepage do Usuário
Luiz Alberto Machado



Mensagens: 1379

MensagemEnviada: Sex Set 01, 2006 12:49 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

A poética de Gaetano G. Perlongo...

Andityas Soares de Moura, representante delegado da Academia IL CONVIVIO no Brasil, poeta e tradutor, Belo Horizonte, Minas Gerais - Brasil, 07 de junho de 2002.

A poética de Gaetano G. Perlongo e a melancolia: "Tra l'orgasmo e la metempsicosi"
di Andityas Soares de Moura

O silêncio é a única atitude digna do poeta no mundo dilacerado em que vivemos. Não lhe cabe cantar a inocência, que já se foi, nem as glórias, que são apenas pó e sombra. “Não se pode falar, há não ser com sobressaltos terríveis.” (verso meu). Assim, vem-nos uma questão, à moda kantiana: como é possível a literatura? E, mais importante, como é possível a poesia? A resposta é simples: cabe ao poeta sacar do infinito a palavra primordial, o instante de febre, o sacro delírio, a compreensão total e instantânea. E é isso o que Gaetano Perlongo faz em sua obra “La licantropia del poeta”. Não é sem razão que o poeta italiano invoca, logo na abertura do livro, o filósofo que é a marca do desespero moderno, em sua in-comunicação: “Questo libro, forse, comprenderà solo colui che già a sua volta abbia pensato i pensieri ivi espressi o, almeno, pensieri simili.”

(premessa al “Tractatus logico-philosophicus” di Ludwig Wittgenstein).

Poesia criticamente trabalhada, de cores diversas e perfumes variados, o texto de Perlongo jamais é óbvio. As palavras se acumulam em pequenos nichos, como gárgulas que observam a passagem do tempo. Pode-se notar a influência da poesia moderna no verso de Perlongo, que nada por um rio de significâncias sem parar em nenhum momento. As imagens se espalham pelas páginas, em um misto sacrílego do haikai oriental e da poesia minimalista francesa. Confira-se o excelente poema abaixo reproduzido:

Richiamo

La luce
attraverso la parete dei sensi
traspira vagiti...
...il figlio della terra
recluso dalle emozioni
manifesta credenze da predatore

A poesia de Perlongo cumpre um rictus ao mesmo tempo rigoroso e livre. Trata-se de construir pontes entre as palavras. Trazê-las para a superfície, onde são facilmente respiráveis. Mas o processo é doloroso. Há de se reler todas as bibliotecas no mundo, com um fascínio Borgiano.
Tal e qual numa canção, o tema principal se repete com insistência, talvez querendo frisar para o leitor a verdadeira matéria da poesia. Ao propiciar o encontro possível de vozes aparentemente díspares, a poesia de Perlongo constrói uma linguagem muito límpida, muito íntima. Basta conferir o dançante poema intitulado de “Sogni oziosi di maggio”, do qual reproduzimos os versos mais significativos:

Ho sognato la mia ancella
danzare sul mare della rapsodia

Ho sognato il capitalismo
in necrosi e l’orgasmo dell’anarchia

Ho sognato il pegaso
e la nobile cavalleria

Ho sognato Giordano Bruno

Ho sognato la penombra
della malinconia

Ho sognato l’ozio
di Hermann Hesse

Ho sognato la morte
i vermi e l’oblio

As filiações do poeta aparecem em cada canto, em cada página. A dança do intelecto preconizada por Ezra Pound ressurge transfigurada nos versos que a cada momento obrigam a palavra a ir mais além, a encontrar a verdade por trás da uni-significação que lhes dá substância quotidiana. A poética de Perlongo é múltipla e mutante. Ao mesmo tempo em que reinvindica a ternura contida e eficaz do ultimo verso do já citado “Sogni oziosi di maggio” – sonhei com meu pai – é capaz de antever a desagregação cósmica na feliz metáfora do prazeroso remordimento humano:

la carne
si plasma in vibrante preludio
col disordine cosmico...

Talvez por isso o título do livro e desse magnífico poema chamado de “La licantropia del poeta”: contínua transformação. Fome de viver. Provação. Dor e alegria na noite esfumaçada. É a semente divina que brilha no corpo do homem-lobo, esquecido pela humanidade, mas ainda assim pronto a reintroduzir o elemento mágico na existência:

Petalo vermiglio

Alla piccola Gaia Cannavò

La purezza delle gote tue
di petalo vermiglio
e di musicale ocarina
infagottano
il puerperio estro del poeta

São vozes ímpares as que dialogam nos poema de Perlongo: a lembrança da infância transfigurada, a sensação de isolamento fantástico, a solidão, a estranheza do destino do homem, o mistério sem resposta da vida etc. Gaetano Perlongo constrói um discurso extremamente eficaz, onde redireciona todas as forças de sua escrita para a celebração da lembrança, que é, em minha opinião, a matéria primordial dessa bela coletânea. Veja-se o poema abaixo, incrível em sua contenção e rigor imagético:

Fiori di campo

A Rosaria Brigida Castelli - 1972/1995

Il vagito del tempo
accarezza la pelle del fiume del vento

Il canto del vento
solletica la pelle dei fiori di campo...
ne risveglia la fragranza
portando con sé
lo sfregio della rimembranza

Sim, a lembrança escorre pelas páginas de Perlongo, mas o tema jamais é tratado de maneira banal ou previsível, vez que o poeta armou-se com os melhores apetrechos: a dicção: clara e límpida. O encadear-se de versos: natural. O assunto: etéreo, esvanescência doce, solitária. Um roçar leve de lábios. E sem que o leitor perceba, o poema nasce como animal precioso. E assim a lembrança, pessoal ou coletiva, é reconstruída em um ambiente de intensa reflexão: busca da beleza. Ergo, a lembrança toma o nome de melancolia, esse spleen tão doce que nos nutre, essa matéria informe que representa a essência e a condição sine qua non de criação autêntica no mundo moderno, segundo Walter Benjamin.
Mas não apenas o logos constitui para Perlongo o caminho a ser explorado. O verso livre permite-lhe multiplacadas modulações e o verbo se irmana ao som, ao canto. É fácil encontrar entre os poemas da Licantropia exemplos primorosos de canções rítmicas. Assim, a sonoridade – a música antes de tudo, proclamara Verlaine – é também elemento fundante da viagem de Perlongo. Confira-se abaixo as rimas internas, agudas:

Scorgo l’alba
e la mia stanca mente tramonta
e tu
bocciolo dei miei sogni
ricominci a respirare
l’umido libeccio

Outro exemplo da interessante vocalização do poeta é o poema abaixo:

Silenzio e Oblio

Silenzio e Oblio

canto baritonale dell’universo

Io
figlio tuo sommerso

mi disperdo in cenere
per un tuo verso

E mais um:

Il chierico errante

Dopo anni di affannose riflessioni
e vagabondaggi esistenziali
nell’immaginario delle mie credenziali
vidi la vita e le sue ali
in sé
la risacca salmastra dell’utopia
e l’aurora della fantasia
Seminaristi
in bilico tra fede ed ipocrisia
vidi...
il sepolcrale luogo della finzione
e l’impero della mistificazione
Politici
perdere la moralità della direzione
vidi...
compagni di viaggio
e i colori del faggio
Girovaghi
palesare la seduzione del saggio
(...)

Trata-se, de uma obra onde não encontramos sonoridades ocasionais, mas a plena inteligência daquilo que Octavio Paz chamou de espírito do poema: o ritmo. As palavras de Perlongo dançam, sem se confrontarem, densificando a significação da idéia que carregam à medida em que fluem como rio indômito. O verbo se enrosca nas frágeis dobras da sensibilidade humana, como no espetacular Orizzonti, poema rigoroso, mínimo, tácito e pungente:

Vola dal nido
e vivi come dio

nella dissolvenza e nell’oblio

vola via
mia rondine

O desassossego da contemporaneidade – descoberto por Baudelaire, reorganizado por Eliot e imposto por Pound – exprime-se em alguns poemas de Perlongo. Quando a melancolia se dissocia do irreal, do mundo do Deus-Lobo, a massa pesada da vivência quotidiana se impõe, cruel e vazia, lembrando-nos o hino de desesperança composto por Eliot em sua Wast Land. Entretanto, o poeta não se enclausura em sua rede, mas conhece e participa dos dramas universais. A poesia não é esterilidade. É vida. E viver é lutar. O protesto incontido de Perlongo pode ser ouvido em poemas como L’antisociale, Il chierico errante e Badessa burocrazia mas é necessário transcrever o texto abaixo para que possa-se verificar quão sutis são os caminhos do poeta:

La globalizzazione

La nave Capitale
carica di globalizzazione
salpa dal porto dell’apatia
e l’equipaggio morsicato nell’identità
saluta i sarcofaghi di palazzo
...il cargo va
sfumando i contorni delle onde
e sfigurando il pelago dalla vergogna
In magna posa
il commodoro ordina di velocizzare il galoppo
i motori vagiscono d’ingordigia
carne da macello per pasto...
L’oblò
velato da una guaina di nostalgia
scorge il delirante barlume
del proletariato sottomesso
e dalla prima classe
le signore incipriate d’ipocrisia
calcano le scene
delle troie di regime...
...la globalizzazione va
ammainando la vela della vita
in un sottofondo crepuscolare

O poeta não se esquece das origens e proporciona-nos imagens de uma beleza edificante: mediterrânea serenidade. É o carpe diem horaciano renovado. O locus amoenus pleno de intensidade. Abaixo, um sensível poema que nos traz à memória a “erótica” de Safo de Lesbos:

Luna

Luna
madre eremita
prendimi e lacrima
dammi acqua amniotica
...umidità di nettare
Edifica la finestra
dei miei occhi

A poética de Perlongo se afasta da ruptura para buscar uma nova maneira de participar do cosmos. Para ele, a presença humana é apenas mais um dos mistérios da fé, e, como tal, é inacessível em sua completude. O poeta deve desafiar o silêncio a trazer-nos o mel da existência, a ofuscação da qual nos fala Platão:

Zenone

Nell’anfiteatro della crisalide
due cormorani volteggiano

funambolica carezza
da scialle amniotico

e di ruscelli sgorganti
in sovrapposti universi

Universi in frammisti riflessi
e lì
il saggio di Elèa
dipinge un’azione
infinita
di cipressi

Poesia profundamente culta, que não deixa de ser humana. Versos sofisticados, porém dotados da simplicidade caracterizadora da verdadeira beleza. Um trabalho maduro de um poeta que encontrou sua linguagem pessoal. Isso é La licantropia del poeta, obra que recomendo para todos aqueles que se interessam pelos atuais rumos da poesia, em especial aquela escrita na bela língua dantesca.
Ver o perfil de UsuáriosVisitar a homepage do Usuário
Luiz Alberto Machado



Mensagens: 1379

MensagemEnviada: Sex Ago 31, 2007 8:15 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Língua de fogo do não


Não se pode escrever o poema.
Os tempos são duros, inflexíveis.
Taciturnos até. Dão “bons dias”
por obrigação e recato.
Não se pode sequer ler o poema.
As pessoas andam cabisbaixas,
Riem à toa – como patetas – e morrem.
Morrem como quem nunca quis nada.
Não se pode nem mesmo pensar o poema.
É proibido.
É indecente o poema.
O poema não produz dividendos. Não distribui lucros. Não faz dormir melhor. O poema não sorri nas campanhas eleitorais.
O poema não gosta de telenovela e nem está preocupado em como estacionar no shopping-center.
O poema não quer ter filhos, se casar e planejar férias anuais. Não tem e nem faz economias.
O poema não deixa e não anota recados.
O poema não investe em ações, não paga imposto de renda e não sabe como se portar à mesa com dignidade e fineza.
O poema não acredita na Previdência Social.
O poema não toma banho todos os dias. Não paga a escola das crianças. Sequer ajuda a financiar os cursos de inglês de que elas tanto precisam para subir na vida.
O poema não tem cartão de crédito e nem religião. Jamais freqüenta bailes de debutantes e nunca foi visto nas festas de Natal da empresa.
O poema não vai ao barzinho da moda.
O poema nunca está no escritório.
O poema não faz visitas sociais. Não tem celular e não confia nas urnas eletrônicas. O poema não está deprimido.
O poema falta às sessões ordinárias da Academia de Letras.
O poema não come todas.
O poema não é tributável. Nem atóxico, inodoro ou inquebrável.
O poema não sabe ficar quietinho.
O poema não pode ser preso.
Nem torturado, morto, estuprado, sequestrado, mutilado, roubado, operado, sodomizado, reeducado, dopado, humilhado, bombardeado, conquistado, saqueado, raptado, ameaçado, multado, eletrocutado, queimado, furado, cegado, crucificado, desmembrado, enforcado, guilhotinado, pisado, garroteado, picado, partido, moído, quebrado, cortado, empalado, frito, cozido, assado, esquecido, vencido, lavado, desintoxicado, trucidado, massacrado, escravizado, humanizado, podado, censurado, amarrado, enganado, corrompido, comprado, convencido, julgado, condenado, apenado, difamado, injuriado, caluniado, desacreditado, distorcido, adulterado, anulado ou apagado.
O poema também não pode ser calado.
O poema é um comilão, um vagabundo, um inútil mesmo.
Isso é o que ele é.
....................
Infame ter de se concentrar para sentir
o pejo de um mundo sem poesia.

Andityas Soares de Moura
Ver o perfil de UsuáriosVisitar a homepage do Usuário
Mostrar os tópicos anteriores:      
Responder Mensagem


 Ir para:   



Exibir próxima mensagem
Exibir mensagem anterior
Enviar Mensagens Novas: Proibído.
Responder Tópicos Proibído
Editar Mensagens: Proibído.
Excluir Mensagens: Proibído.
Votar em Enquetes: Proibído.


Powered by phpBB © 2001, 2002 phpBB Group :: Visite o SobreSites: www.sobresites.com