Fórum de Poesia
 Regras do Fórum  .  Busca  .  Membros  .  Grupos  .  Cadastre-se   .  Perfil   Login
À conversa na escrita Exibir próxima mensagem
Exibir mensagem anterior
Autor Mensagem
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Qua Out 26, 2011 6:51 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:
Francisco, eu lhe pedi um conto sobre Ouroana e dei minha versão, disse que apague a minha versão sobre ela. Desenhado?
Ouroana pra mim não tem religião. Suas vestes não na minha versão nada tem a ver haver com religiao e sim uma maneira de ver como o mundo olha pra ela.
Melhor deixar isso pra la! Beijos no coração!


bbrian, desenhadissimo! Mesmo assim, agora que percebi, não posso deixar de pedir para não lhe fazer a vontade. Penso seria uma pena perder a possibilidade de reler seu conto, já pensou nisso? Feito o meu pedido, fico aguardando resposta. Entretanto, vou deixar poema e a ligação para http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/10/dia-26-andando-xxvi.html
DIA 26 AND_ANDO… XXVI

andando às voltas
de trás para a frente
às voltas andando
http://celularubra.blogspot.com/2011/10/da-obra-e-do-comentario.html
Trás em apêndice outra ligação, para se poder seguir no prazer da leitura!
PONTO DE REBUÇADO
AÇÚCAR DAS IDEIAS

http://www.sobresites.com/poesia/forum/viewtopic.php?p=39591#39591
(O) ETERNO RETORNO
Vou pedir desculpa por mais um pedido, sentindo culpa... fui procurar e ainda não encontrei sua "versão" da qual pediria a data e o local (procurei aqui À conversa na escrita), ainda vou a Tatua.

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
bbrian



Mensagens: 3987
Localização: ES

MensagemEnviada: Qua Out 26, 2011 7:32 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

É sempre um prazer ler você em qualquer escrita. Sempre achei que Ouroana nas suas mãos daria um belo imaginário.
A minha Ouroana está em Crepúsculo, nem se compara ao que você pode fazer. Beijos no coração!

_________________
TODO SOFRIMENTO É UM INSTRUMENTO DE RESGATE!
Ver o perfil de Usuários
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Qua Out 26, 2011 7:41 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:
É sempre um prazer ler você em qualquer escrita. Sempre achei que Ouroana nas suas mãos daria um belo imaginário.
A minha Ouroana está em Crepúsculo, nem se compara ao que você pode fazer. Beijos no coração!


http://www.sobresites.com/poesia/forum/viewtopic.php?p=39559#39559
Nesta ligação podemos viajar de novo ao CREPÚSCULO, podemos e devemos, levar a imaginação cheia de graça! Ela deve ser concebida como a Virgem Santíssima! Concorda?
Com corda podemos nos enforcar, rebocar, dar nós... é bom dar corda à sorte. Beijos do coração!

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco

Editado pela última vez por Francisco Coimbra em Qua Out 26, 2011 7:53 pm, num total de 2 vezes
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
bbrian



Mensagens: 3987
Localização: ES

MensagemEnviada: Qua Out 26, 2011 7:48 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Francisco Coimbra escreveu:
bbrian escreveu:
É sempre um prazer ler você em qualquer escrita. Sempre achei que Ouroana nas suas mãos daria um belo imaginário.
A minha Ouroana está em Crepúsculo, nem se compara ao que você pode fazer. Beijos no coração!


http://www.sobresites.com/poesia/forum/viewtopic.php?p=39559#39559
Nesta ligação podemos viajar de novo ao CREPÚSCULO, podemos e devemos, levar a imaginação cheia de graça! Ela deve ser concebida como a Virgem Santíssima! Concorda?
Com corda podemos nos enforcar, rebocar, dar nós... é bom dar corda à sorte. Beijos do coração!


A imaginação é sua Poeta, vai! beijos no coração!

_________________
TODO SOFRIMENTO É UM INSTRUMENTO DE RESGATE!
Ver o perfil de Usuários
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Qua Out 26, 2011 7:54 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:

A imaginação é sua Poeta, vai! beijos no coração!


«Cripta grafada»
http://www.sobresites.com/poesia/forum/viewtopic.php?p=39598#39598
Até amanhã!
AMOR
http://www.sobresites.com/poesia/forum/viewtopic.php?p=39591#39591

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Seg Nov 14, 2011 10:27 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:
Francisco, eu lhe pedi um conto sobre Ouroana e dei minha versão, disse que apague a minha versão sobre ela. Desenhado?
Ouroana pra mim não tem religião. Suas vestes não na minha versão nada tem a ver haver com religiao e sim uma maneira de ver como o mundo olha pra ela.
Melhor deixar isso pra la! Beijos no coração!


bbrian,
Depois de a reler, pesquisei no blog por “Ouroana”, primeira ligação:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/09/ouroana-dos-cabelos-de-ouro.html
A um conto sempre se pode acrescentar um ponto, transformá-lo num ensaio, num romance, fazer uma crónica, tecer uma crítica. Ouroana ficou-se por um breve “exercício de escrita”, como todos os textos são, de onde quero passar a algo lateral… falar do livro que li quando utilizei o nome duma personagem para [minha] personagem.
Quanto ao apagar, eu não posso apagar algo publicado por você e peço não queira. Isto vai escrito desfasado no tempo, porque se mantém atual.

O livro “A escrava de Córdova”, é a história duma filha de um fidalgo na zona do Condado Portucalense de onde nasceu Portugal, numa fase anterior ao mesmo. A acção do romance decorre em 900 e pico dC na altura em que os Árabes dominam a maior parte da península Ibérica.
É-nos dado a conhecer a situação geopolítica, dão-nos conhecimento do pai de Ouroana e ela vem na barriga da mãe e vai nascer. Acompanhada sempre por uma ama que tem conhecimento dos ritos ligados à Lua e ao culto das plantas. A ama tenta batizar de Seléne (a deusa da Lua) a criança, mas o pai vai influenciar a escolha para Ouroana. A vida/destino da personagem ficará ligada ao Sol e à Lua, não haverá de faltar um eclipse, etc…
A jovem será raptada por um grupo de bandidos, grupos armados que ditavam a sua lei nas terras de fronteira entre Mouros e Cristãos. Um vassalo, braço direito do pai, vai partir no encalço dos raptores, levando dinheiro para a poder resgatar.
Vai aparecer na história um judeu, que acolherá e acompanhará este aio. Aio que, também ele cairá escravo dos Mouros. Antes disso acontecer, vai ser bem recebido por um mouro poeta e seu grupo, tendo chegado são e salvo até ao Algarve. Aí será apanhado, numa incursão de mouros vindos saquear outros mouros, cristãos convertidos, fazendo escravos e levando o que conseguissem saquear.
Ouroana acaba por ser vendida a um ilustre mouro em Lisboa, levada para Córdova a capital do reino árabe na Al-Andaluz, o nome Andaluzia advém deste reino com capital em Córdoba. Depois é o cativeiro, a educação, o conhecimento com o filho mais velho do seu dono ou senhor. Esse filho vai a ser Abdus, vamos conhecer a sua vida.
O aio vai ter uma vida aventurosa, vai ser comprado pelo seu amigo judeu, vai salvar a vida dum filho do regente do reino mouro, em troca vai-lhe ser concedido um prémio: Ourona. Porque entretanto ela tinha sido protegida aquando do rapto por um ladrão, na verdade um pedreiro. Deixara a ocupação de ladrão e viera até Córdoba onde a sua arte era bem paga, na construção de uma nova mesquita em Córdova e ampliação da muito célebre mesquita de Córdoba. Sendo ele a conhecer o aio, dando a saber o paradeiro da princesa que ele reencontrara num daqueles acasos bons para os romances terem histórias mais ou menos in/verosímeis.
Ouroana regressa para os pais, os árabes vão fazer uma razia, Ouroana vai voltar a ficar cativa dos mouros, salva pelo Abdus durante a razia mas, cativa. Depois vai haver um namoro, ela vai ser pedida em casamento, a condição será ficar com a religião do marido, vai dizer que não pode. Vai acabar por poder, vamos perceber porquê pois vai ler sobre as duas religiões e depois o Abdus vai morrer em batalha e ela acabará regressando para o pai.
Cá está a resenha, mas ainda não desisti de dar pelo menos uma passagem do livro. Foi isso que atrasou isto, já está feito. O que falta, vamos ver…
A capa já deixei no blog:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/11/normal-0-21-false-false-false-pt-x-none.html
Beijos ***

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
bbrian



Mensagens: 3987
Localização: ES

MensagemEnviada: Ter Nov 15, 2011 10:19 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Francisco Coimbra escreveu:
bbrian escreveu:
Francisco, eu lhe pedi um conto sobre Ouroana e dei minha versão, disse que apague a minha versão sobre ela. Desenhado?
Ouroana pra mim não tem religião. Suas vestes não na minha versão nada tem a ver haver com religiao e sim uma maneira de ver como o mundo olha pra ela.
Melhor deixar isso pra la! Beijos no coração!


bbrian,
Depois de a reler, pesquisei no blog por “Ouroana”, primeira ligação:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/09/ouroana-dos-cabelos-de-ouro.html
A um conto sempre se pode acrescentar um ponto, transformá-lo num ensaio, num romance, fazer uma crónica, tecer uma crítica. Ouroana ficou-se por um breve “exercício de escrita”, como todos os textos são, de onde quero passar a algo lateral… falar do livro que li quando utilizei o nome duma personagem para [minha] personagem.
Quanto ao apagar, eu não posso apagar algo publicado por você e peço não queira. Isto vai escrito desfasado no tempo, porque se mantém atual.

O livro “A escrava de Córdova”, é a história duma filha de um fidalgo na zona do Condado Portucalense de onde nasceu Portugal, numa fase anterior ao mesmo. A acção do romance decorre em 900 e pico dC na altura em que os Árabes dominam a maior parte da península Ibérica.
É-nos dado a conhecer a situação geopolítica, dão-nos conhecimento do pai de Ouroana e ela vem na barriga da mãe e vai nascer. Acompanhada sempre por uma ama que tem conhecimento dos ritos ligados à Lua e ao culto das plantas. A ama tenta batizar de Seléne (a deusa da Lua) a criança, mas o pai vai influenciar a escolha para Ouroana. A vida/destino da personagem ficará ligada ao Sol e à Lua, não haverá de faltar um eclipse, etc…
A jovem será raptada por um grupo de bandidos, grupos armados que ditavam a sua lei nas terras de fronteira entre Mouros e Cristãos. Um vassalo, braço direito do pai, vai partir no encalço dos raptores, levando dinheiro para a poder resgatar.
Vai aparecer na história um judeu, que acolherá e acompanhará este aio. Aio que, também ele cairá escravo dos Mouros. Antes disso acontecer, vai ser bem recebido por um mouro poeta e seu grupo, tendo chegado são e salvo até ao Algarve. Aí será apanhado, numa incursão de mouros vindos saquear outros mouros, cristãos convertidos, fazendo escravos e levando o que conseguissem saquear.
Ouroana acaba por ser vendida a um ilustre mouro em Lisboa, levada para Córdova a capital do reino árabe na Al-Andaluz, o nome Andaluzia advém deste reino com capital em Córdoba. Depois é o cativeiro, a educação, o conhecimento com o filho mais velho do seu dono ou senhor. Esse filho vai a ser Abdus, vamos conhecer a sua vida.
O aio vai ter uma vida aventurosa, vai ser comprado pelo seu amigo judeu, vai salvar a vida dum filho do regente do reino mouro, em troca vai-lhe ser concedido um prémio: Ourona. Porque entretanto ela tinha sido protegida aquando do rapto por um ladrão, na verdade um pedreiro. Deixara a ocupação de ladrão e viera até Córdoba onde a sua arte era bem paga, na construção de uma nova mesquita em Córdova e ampliação da muito célebre mesquita de Córdoba. Sendo ele a conhecer o aio, dando a saber o paradeiro da princesa que ele reencontrara num daqueles acasos bons para os romances terem histórias mais ou menos in/verosímeis.
Ouroana regressa para os pais, os árabes vão fazer uma razia, Ouroana vai voltar a ficar cativa dos mouros, salva pelo Abdus durante a razia mas, cativa. Depois vai haver um namoro, ela vai ser pedida em casamento, a condição será ficar com a religião do marido, vai dizer que não pode. Vai acabar por poder, vamos perceber porquê pois vai ler sobre as duas religiões e depois o Abdus vai morrer em batalha e ela acabará regressando para o pai.
Cá está a resenha, mas ainda não desisti de dar pelo menos uma passagem do livro. Foi isso que atrasou isto, já está feito. O que falta, vamos ver…
A capa já deixei no blog:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/11/normal-0-21-false-false-false-pt-x-none.html
Beijos ***


Ainda venho lhe falar da minha Ouroana Poeta, que é bem diferente da sua. Preciso tempo!Beijos no coração!

_________________
TODO SOFRIMENTO É UM INSTRUMENTO DE RESGATE!
Ver o perfil de Usuários
bbrian



Mensagens: 3987
Localização: ES

MensagemEnviada: Qua Nov 16, 2011 9:58 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:
Francisco Coimbra escreveu:
bbrian escreveu:
Francisco, eu lhe pedi um conto sobre Ouroana e dei minha versão, disse que apague a minha versão sobre ela. Desenhado?
Ouroana pra mim não tem religião. Suas vestes não na minha versão nada tem a ver haver com religiao e sim uma maneira de ver como o mundo olha pra ela.
Melhor deixar isso pra la! Beijos no coração!


bbrian,
Depois de a reler, pesquisei no blog por “Ouroana”, primeira ligação:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/09/ouroana-dos-cabelos-de-ouro.html
A um conto sempre se pode acrescentar um ponto, transformá-lo num ensaio, num romance, fazer uma crónica, tecer uma crítica. Ouroana ficou-se por um breve “exercício de escrita”, como todos os textos são, de onde quero passar a algo lateral… falar do livro que li quando utilizei o nome duma personagem para [minha] personagem.
Quanto ao apagar, eu não posso apagar algo publicado por você e peço não queira. Isto vai escrito desfasado no tempo, porque se mantém atual.

O livro “A escrava de Córdova”, é a história duma filha de um fidalgo na zona do Condado Portucalense de onde nasceu Portugal, numa fase anterior ao mesmo. A acção do romance decorre em 900 e pico dC na altura em que os Árabes dominam a maior parte da península Ibérica.
É-nos dado a conhecer a situação geopolítica, dão-nos conhecimento do pai de Ouroana e ela vem na barriga da mãe e vai nascer. Acompanhada sempre por uma ama que tem conhecimento dos ritos ligados à Lua e ao culto das plantas. A ama tenta batizar de Seléne (a deusa da Lua) a criança, mas o pai vai influenciar a escolha para Ouroana. A vida/destino da personagem ficará ligada ao Sol e à Lua, não haverá de faltar um eclipse, etc…
A jovem será raptada por um grupo de bandidos, grupos armados que ditavam a sua lei nas terras de fronteira entre Mouros e Cristãos. Um vassalo, braço direito do pai, vai partir no encalço dos raptores, levando dinheiro para a poder resgatar.
Vai aparecer na história um judeu, que acolherá e acompanhará este aio. Aio que, também ele cairá escravo dos Mouros. Antes disso acontecer, vai ser bem recebido por um mouro poeta e seu grupo, tendo chegado são e salvo até ao Algarve. Aí será apanhado, numa incursão de mouros vindos saquear outros mouros, cristãos convertidos, fazendo escravos e levando o que conseguissem saquear.
Ouroana acaba por ser vendida a um ilustre mouro em Lisboa, levada para Córdova a capital do reino árabe na Al-Andaluz, o nome Andaluzia advém deste reino com capital em Córdoba. Depois é o cativeiro, a educação, o conhecimento com o filho mais velho do seu dono ou senhor. Esse filho vai a ser Abdus, vamos conhecer a sua vida.
O aio vai ter uma vida aventurosa, vai ser comprado pelo seu amigo judeu, vai salvar a vida dum filho do regente do reino mouro, em troca vai-lhe ser concedido um prémio: Ourona. Porque entretanto ela tinha sido protegida aquando do rapto por um ladrão, na verdade um pedreiro. Deixara a ocupação de ladrão e viera até Córdoba onde a sua arte era bem paga, na construção de uma nova mesquita em Córdova e ampliação da muito célebre mesquita de Córdoba. Sendo ele a conhecer o aio, dando a saber o paradeiro da princesa que ele reencontrara num daqueles acasos bons para os romances terem histórias mais ou menos in/verosímeis.
Ouroana regressa para os pais, os árabes vão fazer uma razia, Ouroana vai voltar a ficar cativa dos mouros, salva pelo Abdus durante a razia mas, cativa. Depois vai haver um namoro, ela vai ser pedida em casamento, a condição será ficar com a religião do marido, vai dizer que não pode. Vai acabar por poder, vamos perceber porquê pois vai ler sobre as duas religiões e depois o Abdus vai morrer em batalha e ela acabará regressando para o pai.
Cá está a resenha, mas ainda não desisti de dar pelo menos uma passagem do livro. Foi isso que atrasou isto, já está feito. O que falta, vamos ver…
A capa já deixei no blog:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/11/normal-0-21-false-false-false-pt-x-none.html
Beijos ***


Ainda venho lhe falar da minha Ouroana Poeta, que é bem diferente da sua. Preciso tempo!Beijos no coração!


Francisco, ser Poeta e escritor requer muita cultura, é o seu caso. Eu não conhecia a história de Ouroana contada por você.
A minha foi capturada por Olara quando li uma estória sobre uma mulher feia que sonha com os versos de um trovador. Extremamente triste, tem no coração a solidão, seus olhos traduzem uma incompatibilidade com o mundo de guerras e desamores. Mira sempre o infinito como pudesse florir os desertos. É além da matéria, pode acariciar alguém tocando com a alma. Nada espera da vida terrena e espera o tempo passar. Acho que Olara a desenhou em LEOA que não compreendendo o mundo preferiu isolar-se dele. Olara viu Ouroana em DOIS com mundo azul de fadas onde reina o amor.
Acho que a verdadeira Ouroana na sua história dará uma bela reflexão sobre religião, espero que vença o amor, porque religiao não é fé. Fé é observarmos o universo e termos a certeza que algo maior de total inteligência regeu e rege isto tudo. Da sua genialidade e das suas mãos so vem escritas escandalosamente perfeitas. Beijos no coração!

_________________
TODO SOFRIMENTO É UM INSTRUMENTO DE RESGATE!
Ver o perfil de Usuários
João Dinato Ferreira



Mensagens: 635
Localização: Minas Gerais

MensagemEnviada: Sex Nov 18, 2011 10:59 am Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:
bbrian escreveu:
Francisco Coimbra escreveu:
bbrian escreveu:
Francisco, eu lhe pedi um conto sobre Ouroana e dei minha versão, disse que apague a minha versão sobre ela. Desenhado?
Ouroana pra mim não tem religião. Suas vestes não na minha versão nada tem a ver haver com religiao e sim uma maneira de ver como o mundo olha pra ela.
Melhor deixar isso pra la! Beijos no coração!


bbrian,
Depois de a reler, pesquisei no blog por “Ouroana”, primeira ligação:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/09/ouroana-dos-cabelos-de-ouro.html
A um conto sempre se pode acrescentar um ponto, transformá-lo num ensaio, num romance, fazer uma crónica, tecer uma crítica. Ouroana ficou-se por um breve “exercício de escrita”, como todos os textos são, de onde quero passar a algo lateral… falar do livro que li quando utilizei o nome duma personagem para [minha] personagem.
Quanto ao apagar, eu não posso apagar algo publicado por você e peço não queira. Isto vai escrito desfasado no tempo, porque se mantém atual.

O livro “A escrava de Córdova”, é a história duma filha de um fidalgo na zona do Condado Portucalense de onde nasceu Portugal, numa fase anterior ao mesmo. A acção do romance decorre em 900 e pico dC na altura em que os Árabes dominam a maior parte da península Ibérica.
É-nos dado a conhecer a situação geopolítica, dão-nos conhecimento do pai de Ouroana e ela vem na barriga da mãe e vai nascer. Acompanhada sempre por uma ama que tem conhecimento dos ritos ligados à Lua e ao culto das plantas. A ama tenta batizar de Seléne (a deusa da Lua) a criança, mas o pai vai influenciar a escolha para Ouroana. A vida/destino da personagem ficará ligada ao Sol e à Lua, não haverá de faltar um eclipse, etc…
A jovem será raptada por um grupo de bandidos, grupos armados que ditavam a sua lei nas terras de fronteira entre Mouros e Cristãos. Um vassalo, braço direito do pai, vai partir no encalço dos raptores, levando dinheiro para a poder resgatar.
Vai aparecer na história um judeu, que acolherá e acompanhará este aio. Aio que, também ele cairá escravo dos Mouros. Antes disso acontecer, vai ser bem recebido por um mouro poeta e seu grupo, tendo chegado são e salvo até ao Algarve. Aí será apanhado, numa incursão de mouros vindos saquear outros mouros, cristãos convertidos, fazendo escravos e levando o que conseguissem saquear.
Ouroana acaba por ser vendida a um ilustre mouro em Lisboa, levada para Córdova a capital do reino árabe na Al-Andaluz, o nome Andaluzia advém deste reino com capital em Córdoba. Depois é o cativeiro, a educação, o conhecimento com o filho mais velho do seu dono ou senhor. Esse filho vai a ser Abdus, vamos conhecer a sua vida.
O aio vai ter uma vida aventurosa, vai ser comprado pelo seu amigo judeu, vai salvar a vida dum filho do regente do reino mouro, em troca vai-lhe ser concedido um prémio: Ourona. Porque entretanto ela tinha sido protegida aquando do rapto por um ladrão, na verdade um pedreiro. Deixara a ocupação de ladrão e viera até Córdoba onde a sua arte era bem paga, na construção de uma nova mesquita em Córdova e ampliação da muito célebre mesquita de Córdoba. Sendo ele a conhecer o aio, dando a saber o paradeiro da princesa que ele reencontrara num daqueles acasos bons para os romances terem histórias mais ou menos in/verosímeis.
Ouroana regressa para os pais, os árabes vão fazer uma razia, Ouroana vai voltar a ficar cativa dos mouros, salva pelo Abdus durante a razia mas, cativa. Depois vai haver um namoro, ela vai ser pedida em casamento, a condição será ficar com a religião do marido, vai dizer que não pode. Vai acabar por poder, vamos perceber porquê pois vai ler sobre as duas religiões e depois o Abdus vai morrer em batalha e ela acabará regressando para o pai.
Cá está a resenha, mas ainda não desisti de dar pelo menos uma passagem do livro. Foi isso que atrasou isto, já está feito. O que falta, vamos ver…
A capa já deixei no blog:
http://diariodedetrasii.blogspot.com/2011/11/normal-0-21-false-false-false-pt-x-none.html
Beijos ***


Ainda venho lhe falar da minha Ouroana Poeta, que é bem diferente da sua. Preciso tempo!Beijos no coração!


Francisco, ser Poeta e escritor requer muita cultura, é o seu caso. Eu não conhecia a história de Ouroana contada por você.
A minha foi capturada por Olara quando li uma estória sobre uma mulher feia que sonha com os versos de um trovador. Extremamente triste, tem no coração a solidão, seus olhos traduzem uma incompatibilidade com o mundo de guerras e desamores. Mira sempre o infinito como pudesse florir os desertos. É além da matéria, pode acariciar alguém tocando com a alma. Nada espera da vida terrena e espera o tempo passar. Acho que Olara a desenhou em LEOA que não compreendendo o mundo preferiu isolar-se dele. Olara viu Ouroana em DOIS com mundo azul de fadas onde reina o amor.
Acho que a verdadeira Ouroana na sua história dará uma bela reflexão sobre religião, espero que vença o amor, porque religiao não é fé. Fé é observarmos o universo e termos a certeza que algo maior de total inteligência regeu e rege isto tudo. Da sua genialidade e das suas mãos so vem escritas escandalosamente perfeitas. Beijos no coração!


É muito empolgante a leitura de romances, acho excitante a sua relação com a História, em pensar que já existiu um Império Árabe... Pena que nasci preguiçoso, um dia talvez aceite como desafio ler um “A escrava de Córdova” e quem sabe escrever, preciso de mais bagagem... Parabéns, escritor!

_________________
Ao encontro da arte, no verso...
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do UsuárioMSN Messenger
João Dinato Ferreira



Mensagens: 635
Localização: Minas Gerais

MensagemEnviada: Sex Nov 18, 2011 4:34 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Aguardando mais resenhas...

_________________
Ao encontro da arte, no verso...
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do UsuárioMSN Messenger
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Ter Nov 22, 2011 10:29 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

bbrian escreveu:

Francisco, ser Poeta e escritor requer muita cultura, é o seu caso. Eu não conhecia a história de Ouroana contada por você.
A minha foi capturada por Olara quando li uma estória sobre uma mulher feia que sonha com os versos de um trovador. Extremamente triste, tem no coração a solidão, seus olhos traduzem uma incompatibilidade com o mundo de guerras e desamores. Mira sempre o infinito como pudesse florir os desertos. É além da matéria, pode acariciar alguém tocando com a alma. Nada espera da vida terrena e espera o tempo passar. Acho que Olara a desenhou em LEOA que não compreendendo o mundo preferiu isolar-se dele. Olara viu Ouroana em DOIS com mundo azul de fadas onde reina o amor.
Acho que a verdadeira Ouroana na sua história dará uma bela reflexão sobre religião, espero que vença o amor, porque religiao não é fé. Fé é observarmos o universo e termos a certeza que algo maior de total inteligência regeu e rege isto tudo. Da sua genialidade e das suas mãos so vem escritas escandalosamente perfeitas. Beijos no coração!


bbrian,
Breve espero encontrar uma página no interior do livro para lhe dar a ler, isso já pensei e continua adiado, mas volto!
«
Francisco, eu não diria poeta racional, há diferença entre os poetas que procuram os versos e dos poetas que são procurados pela poesia. Quando procurados saõ sim FONTES NATURAIS que brotam espontâneos e afloram livres escorrendo versos. O mundo literário nem sempre faz justiça a estes donos de um dom. Fazer o quê? Nem tudo é justo. NO debate estou devendo, e vou lá qualquer dia. Beijos no coração!
»
Também tinha este seu comentário a exigir ser comentado, para aqui o trouxe. Agradeço-o, como tudo que me vai dando, agradeço as suas palavras acima. A verdade é a cultura pouco ou nada significar, se dela não fizermos uso; não posso deixar de estar plenamente de acordo com a amiga.
Beijos do coração!

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Dom Nov 27, 2011 10:40 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

João Dinato Ferreira escreveu:

É muito empolgante a leitura de romances, acho excitante a sua relação com a História, em pensar que já existiu um Império Árabe... Pena que nasci preguiçoso, um dia talvez aceite como desafio ler um “A escrava de Córdova” e quem sabe escrever, preciso de mais bagagem... Parabéns, escritor!


João Dinato,
Da última vez que vim não tive tempo de dar conta de ter lido, agora vim desejar uma boa semana! Deixo a promessa de voltar breve, com uma resenha. Abraço

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
bbrian



Mensagens: 3987
Localização: ES

MensagemEnviada: Ter Nov 29, 2011 11:08 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Pois é Francisco, quando junta cultura e poeta fica muito mais bonito. Beijos no coração!

_________________
TODO SOFRIMENTO É UM INSTRUMENTO DE RESGATE!
Ver o perfil de Usuários
Francisco Coimbra



Mensagens: 1446
Localização: Ponta Delgada - Açores/PORTUGAL

MensagemEnviada: Qui Mai 16, 2013 10:03 pm Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

No Ceará, dona de cabaré processa igreja evangélica – por diógenes dantas / fortaleza.ce
Por Equipe Palavreiros da Hora em maio 16, 2013 18:47 pm
Rafael Romão
http://palavrastodaspalavras.wordpress.com/2013/05/16/no-ceara-dona-de-cabare-processa-igreja-evangelica-por-diogenes-dantas-fortaleza-ce/

A história é saborosa e chegou a mim por intermédio de um amigo internauta: “No Ceará, dona de cabaré processa igreja evangélica”.
Em Aquiraz, no Ceará, Dona Tarcília Bezerra construiu uma expansão de seu cabaré, cujas atividades estavam em constante crescimento após a criação de seguro desemprego para pescadores e vários outros tipos de bolsas.
Em resposta, uma igreja evangélica local iniciou uma forte campanha para bloquear a expansão, com sessões de oração de manhã, à tarde e à noite.
O trabalho de ampliação e reforma progredia célere até uma semana antes da reinauguração, quando um raio atingiu o cabaré queimando as instalações elétricas e provocando um incêndio que destruiu o telhado e grande parte da construção.
Após a destruição do cabaré, o pastor e os crentes da igreja passaram a se gabar “do grande poder da oração”.
Então, Dona Tarcília processou a igreja, o pastor e toda congregação sob o argumento que eles “foram os responsáveis pelo fim de seu prédio e de seu negócio, utilizando-se da intervenção divina, direta ou indireta e das ações ou meios.”
Na contestação à ação judicial, a igreja, veementemente, negou toda e qualquer responsabilidade ou qualquer ligação com o fim do edifício.
O juiz, a quem o processo foi submetido, leu a reclamação da autora e a resposta dos réus e, na audiência de conciliação, comentou:
- Eu não sei como vou decidir este caso, mas uma coisa está patente nos autos: Temos aqui uma proprietária de cabaré que firmemente acredita no poder das orações e uma igreja inteira declarando que as orações não valem nada!
bbrian escreveu:
Pois é Francisco, quando junta cultura e poeta fica muito mais bonito. Beijos no coração!

bb,
Calculo vá gostar da notícia, é bem pitoresca...
Aproveitei visitar este espaço Smile
Beijos do coração!

_________________
http://www.recantodasletras.com.br/autores/Francisco
Ver o perfil de UsuáriosEnviar EmailVisitar a homepage do Usuário
bbrian



Mensagens: 3987
Localização: ES

MensagemEnviada: Sex Mai 17, 2013 12:16 am Responder com CitaçãoVoltar ao Topo

Francisco Coimbra escreveu:
No Ceará, dona de cabaré processa igreja evangélica – por diógenes dantas / fortaleza.ce
Por Equipe Palavreiros da Hora em maio 16, 2013 18:47 pm
Rafael Romão
http://palavrastodaspalavras.wordpress.com/2013/05/16/no-ceara-dona-de-cabare-processa-igreja-evangelica-por-diogenes-dantas-fortaleza-ce/

A história é saborosa e chegou a mim por intermédio de um amigo internauta: “No Ceará, dona de cabaré processa igreja evangélica”.
Em Aquiraz, no Ceará, Dona Tarcília Bezerra construiu uma expansão de seu cabaré, cujas atividades estavam em constante crescimento após a criação de seguro desemprego para pescadores e vários outros tipos de bolsas.
Em resposta, uma igreja evangélica local iniciou uma forte campanha para bloquear a expansão, com sessões de oração de manhã, à tarde e à noite.
O trabalho de ampliação e reforma progredia célere até uma semana antes da reinauguração, quando um raio atingiu o cabaré queimando as instalações elétricas e provocando um incêndio que destruiu o telhado e grande parte da construção.
Após a destruição do cabaré, o pastor e os crentes da igreja passaram a se gabar “do grande poder da oração”.
Então, Dona Tarcília processou a igreja, o pastor e toda congregação sob o argumento que eles “foram os responsáveis pelo fim de seu prédio e de seu negócio, utilizando-se da intervenção divina, direta ou indireta e das ações ou meios.”
Na contestação à ação judicial, a igreja, veementemente, negou toda e qualquer responsabilidade ou qualquer ligação com o fim do edifício.
O juiz, a quem o processo foi submetido, leu a reclamação da autora e a resposta dos réus e, na audiência de conciliação, comentou:
- Eu não sei como vou decidir este caso, mas uma coisa está patente nos autos: Temos aqui uma proprietária de cabaré que firmemente acredita no poder das orações e uma igreja inteira declarando que as orações não valem nada!
bbrian escreveu:
Pois é Francisco, quando junta cultura e poeta fica muito mais bonito. Beijos no coração!

bb,
Calculo vá gostar da notícia, é bem pitoresca...
Aproveitei visitar este espaço Smile
Beijos do coração!


Poeta, me perdoa mas estou dando gargalhadas!
Também não assuste, o Brasil é um país pitoresco, onde as coisas sérias viram piadas, onde o povo aceita todo tipo de esculhambação e ainda dao risadas. Estamos na Era de bolsas tudo e indo cada dia mais pro buraco. É triste mas é a verdade. Nem oração vai nos salvar! Só falta colocarmos a culpa no raio. Beijos no coração!
Esqueci da bolsa presidiário: um criminoso ganha mais que um trabalhador. Somos ou não o país do futuro?

_________________
TODO SOFRIMENTO É UM INSTRUMENTO DE RESGATE!
Ver o perfil de Usuários
Mostrar os tópicos anteriores:      
Responder Mensagem


 Ir para:   



Exibir próxima mensagem
Exibir mensagem anterior
Enviar Mensagens Novas: Proibído.
Responder Tópicos Proibído
Editar Mensagens: Proibído.
Excluir Mensagens: Proibído.
Votar em Enquetes: Proibído.


Powered by phpBB © 2001, 2002 phpBB Group :: Visite o SobreSites: www.sobresites.com