SobreSites > Histórias em Quadrinhos > Bastidores
Página Inicial do Guia
Portais de HQ
Quadrinhos Online
Blogs
Personagens
Guia de Compras
Tiras
Editoras
Livros
Revistas
Fóruns
Lojas
Festivais
Cursos e Estudios
Artigos e Resenhas
Bastidores
Envie Guia por E-mail
Fale com o Editor
Outros Guias
· Fotografia
· Blog
· Anime
· Mangá
 
  Histórias em Quadrinhos
Bruno Cruz
Editor do seu Guia de Histórias em Quadrinhos
Pesquisa personalizada
BASTIDORES
Quando decidi incluir no guia de quadrinhos do sobresites o item Bastidores, eu tinha um objetivo bem claro: dar conta do aspecto histórico dos quadrinhos no Brasil. Explico: sou fascinado pelo aspecto humano que forma a nossa realidade - trata-se de milhares de vidas que levaram tal coisa a ser de tal forma e não de outra. Nos quadrinhos, como no resto, isso também ocorre. E como bom amante desta arte, eu tive certo contato com pessoas que fazem e fizeram a HQ em nosso país. Aqui, pretendo contar um pouco desta experiência.
Nem todos os relatos foram vividos por mim. Quando me reportar a experiências não vividas, estarei me referindo apenas ao aspecto subjetivo das histórias. É por isso que estou optando pela narrativa em primeira pessoa e usando e abusando do gerúndio (para raiva e desespero dos jornalistas). Penso que o item bastidores não poderia ser escrito de outra maneira.

Eloyr Pacheco
É pouco provável que haja alguém da minha geração em Londrina que não conheça o Eloyr. Certamente não há entre os leitores de HQ. Eloyr foi o grande fundador da Batbanca, a primeira banca de Londrina a levar os títulos americanos com regularidade para cidade. Eloyr também foi o criador do Londrina ComicCon (evento que reunia editores, desenhistas, roteiristas de HQ de todo o país). Ele teve ainda uma breve passagem pela Metal Pesado e a geração mais nova - que ainda não se ligou nos nomes que abrem os créditos dos livros e revistas - vai entender de quem estou falando quando me referir ao seu sinônimo: Brain Store.
Eu já tive a feliz oportunidade de hospedar o Eloyr em minha casa. Isso foi em 1995 (há dez anos, portanto). Ele é uma figura muito carinhosa, superprestativa e obcecado com o seu trabalho (no bom sentido!). Isso explica a meticulosidade com que administra a Editora Brain Store.
Eloyr é uma daquelas pessoas perfeccionistas. Difícil vê-lo complemente satisfeito. Já vi e ouvi algumas histórias de rusgas envolvendo ele. Provavelmente contarei algumas, no futuro. Mas todas que tive conhecimento são frutos dessa meticulosidade quase européia que ele tem - e que às vezes entra em choque com o jeitinho brasileiro. De minha parte, sempre fui muito bem tratado pelo Eloyr e digo (sem constrangimento) que quando o hospedei não consegui fazer jus à recepção que tive por ele em Londrina.
A última vez que o vi foi em São Paulo (quando morei lá, há pouco mais de um ano). Fui conhecer a sede da Brain Store, acompanhando o Maron, editor da revista Monet e meu grande amigo. Eloyr me recebeu como sempre: com grande zelo, uma paixão infinita por quadrinhos e um grande orgulho de seu trabalho. Tenho uma grande afeição por ele.
Mauro da Devir
A primeira vez que vi o Mauro foi na Bienal do Livro de 1989. Na época, a Devir tinha um stand bem modesto (sei que é difícil crer, mas era assim). O Mauro tentava convencer a mim e ao meu amigo Cazuo a um feito difícil: entregar nossas economias à Devir, abrindo uma espécie de conta, na qual tudo seria automaticamente convertido para dólares. Depois, nós iríamos abatendo esses dólares de nossa conta virtual por meio de compras de títulos americanos que a Devir entregaria em nossas casas. Quando a conta zerasse, nós poderíamos colocar mais dinheiro e manter nossas coleções em dia. Ele garantiu que trazia todos os títulos da DC e da Marvel. Com regularidade! Difícil crer que alguém seria convencido a entregar seu dinheiro a uma empresa desconhecida em troca das vendas de títulos futuros que ainda nem tinham sido publicados. Eu e o Cazuo fomos!
E - para nossa sorte - O Mauro convenceu muita gente. Tanto, que a Devir deu certo e se tornou um marco para nós. Pela primeira vez os títulos americanos passaram a entrar com regularidade no país. Até então, era praticamente impossível ter uma coleção. As distribuidoras brasileiras traziam as revistas americanas de modo desorganizado, aleatório e sem constância. Você comprava um título em um mês e não tinha nenhuma garantia de que teria a continuação da história no mês seguinte. Aliás, era bem mais provável que não tivesse. A promessa de vendedor que o Mauro fez, tanto a mim quanto aos diversos adolescentes da Bienal, era verdade.
Mas o que eu acho mais fantástico não foi o fato do Mauro ter me convencido, nem de ser verdade o que ele dizia. Mais fantástico é que era ele ali: o próprio dono da Devir fazendo o papel de vendedor; travando a árdua tarefa de convencer adolescentes a abrir contas virtuais em dólar.
O Mauro é conhecido nos bastidores como o homem de negócios da Devir. Sempre á frente das coisas. Guardada as devidas proporções, ele tem um pouco da aura do Bill Gates. É admirado por muitos e odiado por outros. Admirado porque tem tino para os negócios e não tem pudores. Começou do nada e fez todo tipo de trabalho para criar a Devir. Odiado porque já fez diversos movimentos no limiar do ético para crescer. Engoliu algumas empresas, vetou outras no mercado com manobras não tão limpas. Mas negócios são negócios. De minha parte, só posso dizer que quando eu e o Artur fechamos a Nova Vecchi, o Mauro me pareceu sinceramente triste. Ele comprou todo o nosso estoque. Muitos podem dizer que isso foi uma manobra para ter lucro, mas acho pouco provável. Acredito que o Mauro realmente quis nos ajudar (e, de fato, ajudou). E duvido muito que ele tenha tido algum lucro (fora o humano).
Marcão da Gibimania
Eu sou de uma época em que era muito difícil manter uma coleção de quadrinhos. Precisava-se comprar os títulos nas bancas. Se você perdia um título, tinha seis meses para comprá-lo na editora antes do estoque ser vendido como papel velho. Depois disso, só com três coisas você conseguiria achá-lo: pernas, muita paciência e SORTE.
Não havia lojas especializadas. Os sebos tratavam revistas como resto. Jogavam tudo empilhado num canto. Passei muitas horas da minha vida no meio de papel velho, tirando título por título de uma pilha atrás de algo que me interessasse. Eu e muitos da minha época. Inclusive o Marcão da Gibimania.
Num belo dia ensolarado abriu um sebo diferente no Méier. Chamava-se Gibicenter. Ele era especializado em vinil (até aí, tudo bem) e... quadrinhos! Genial! Cazuo, garoto de coragem, foi o primeiro da turma a se aventurar. Traçou um caminho louco. Perdeu-se. Quase chorou. Mas conseguiu achar. Depois, me levou lá. Quando eu entrei no Gibicenter, não acreditei: as revistas eram organizadas por títulos e ordenadas numericamente. E tinha de tudo! Era o sonho! Fiquei três horas lá e só fui embora porque a loja ia fechar.
O responsável por isso era o funcionário da loja: Marcão. Figura simpática, sempre sorridente, muito brincalhão e com um coração de ouro. Depois de algum tempo, Marcão abriu sua própria loja, só que na Tijuca: a Gibimania. Daí veio o bum de lojas especializadas. Mas a Gibimania ainda é minha loja preferida. E como bom amante dos bastidores, tiro o meu chapéu para o Marcão. Quanto ao Gibicenter, nunca mais foi o mesmo. As revistas passaram a ficar desorganizadas, misturadas e pouco cuidadas. O que só prova que era mesmo o Marcão a alma do Gibicenter. Mas eu não tenho nada a reclamar, prefiro mesmo a Gibimania.
Otacílio D´Assunção: o Ota...
...Nada idiota, diga-se de passagem. Lotario Vecchi (antigo dono da famosa Vecchi) diz que o Ota era uma figura muito engraçada. Quando ele o conheceu, o Ota tinha um cabelão e vinha com um monte de revistas embaixo do braço. As revistas eram um lixo! Estou me referindo a MAD. Ota dizia que era uma boa idéia lançá-la no Brasil. Muito improvável! Quem iria ler uma droga daquelas? Pra piorar, a revista já tinha sido feita aqui e os antigos editores tinham dado um calote na editora americana. Resultado: eles não queriam nem ouvir falar do Brasil. Para a Vecchi negociar os royaltes da MAD, teve de pagar adiantado o equivalente a 6% da tiragem impressa (e não os 10% da tiragem vendida, como de praxe).
Só o Ota para convencer o Lotario a uma loucura dessas! Sorte do Lotario, da Vecchi, do Ota e da HQ brasileira. Por quê? Simplesmente porque a revista foi um sucesso. Se tornou o carro-chefe dos quadrinhos da Vecchi (junto com o Tex). E a MAD tinha uma grande vantagem: a maior parte do material dela (70%, segundo o Lotario) era de temática local. Não dava para publicar no Brasil. Solução: montar uma redação brasileira para produzir material no estilo MAD, mas com temática local. Surgia, assim, as sátiras ao futebol, às novelas, às minisséries. Montava-se também uma redação que iria formar vários autores e desenhistas de quadrinhos no Brasil.
Na seqüência, Ota trouxe um título para concorrer com a Kripta da RGE: Spectro. No primeiro número da revista (que eu tenho... hehehe!!!) só tinha material americano (aliás, o nome da revista era Dr. Spektro). Mas a partir do número dois começou a entrar material nacional e, até que enfim, se tornou brasileira. A Spektro trouxe outros títulos e se tornou um marco na HQB.
Quando a Vecchi foi comprada pelo JB e fechou as portas, Ota (barbudo, ao invés de cebeludo) botou a MAD debaixo do braço e entrou na Record. Foi quando a Record lançou Love and Rockets; Cripta do Terror; Diabolik. Conheci o Ota pessoalmente nessa época (ele me apresentou a redação da Record naqueles tempos).
Além de ser responsável pela publicação da MAD, da Spectro, de Love & Rockets, da Cripta do Terror, Ota fez algumas outras besteiras: casou, separou, publicou no JB uma tirinha autobiográfica quase tão tosca quanto a sua própria vida, intitulada Idi-Otas; lançou diversos títulos de terror - no estilo da Vecchi - pela Ediouro e entrou para o Orkut, onde tem 554 fãs e mais de 1.000 amigos (dentre os quais, eu). E eu concordo com o Lotario: o amiguinho Ota é uma figura muito engraçada.
Alexandre Maron, vulgo Maron, vulgo Alê
Existe uma tirinha do Touro-sentado em que seu cavalo diz detestar quem vive falando que é amigo de pessoas importantes. Ele e seus amigos: Rin-Tin-Tin, Lassie e o Silver... Pois é, mas se tem algo que posso dizer com muito orgulho é que sou grande amigo do Alê. E nossa amizade vem desde a época da faculdade.
Maron abriu a primeira loja especializada da Ilha do Governador (não sei se houve uma segunda): a Interativa. Foi repórter da Folha de São Paulo por três anos e publicou na Ilustrada entrevista com Stan Lee, Flávio Colin e diversas matérias sobre quadrinhos. Atualmente é editor da revista Monet (da Net) e mantém sempre uma novidade sobre quadrinhos na coluna de livros. É o cara mais leal que já conheci. Se o Stan Lee o tivesse conhecido no início de sua carreira, eu juraria que o Homem-Aranha seria baseado no Maron. Como o aracnídeo já existia quando Alê nasceu, sou capaz de jurar que o Maron foi influenciado pelo Peter Parker quando traçou sua trajetória de vida
.
Henfil
Henfil foi certamente o gênio mais sick que o mundo já teve. De espírito supercrítico, teve diversas rusgas durante sua vida. O termo de patrulha ideológica não dá conta do cartunista. Ele criticava tudo e todos. Ninguém escapava de sua pena. Fosse de direita, fosse de esquerda. De situação a oposição. Elis Regina foi sua musa. Ela se apaixonou por ele. Acha que ele ficou desbundado? Necas, pegou um deslize da menina e a criticou duramente. Apaixonado pelo seu irmão Betinho, não cedeu nem quando a ditadura tentou seduzi-lo com a volta do irmão. Anistia? Só se for irrestrita!
Morou com Glauco e com Laerte no que parece ter sido uma espécie de "República do Cartoon". Abriu uma cooperativa, produziu material para partidos e sindicatos, morou nos EUA e esteve na China comunista. Dialético? Talvez, mas não para o próprio.
Tinha um humor ferino. Certa feita, viajando com sua primeira mulher, a viu alertando seu filho Ivan para não tocar na panela quente. Irreverente, se aproveitou da distração dela e disse para o filho. "Rápido, aproveita agora e pega na panela." Ivan se queimou e abriu o berreiro. "Isso é para você aprender a não confiar em ninguém, nem mesmo em seu pai." Não era sadismo, não. Era ele tentando ensinar ao filho sua essência.
Henfil foi um libertário desde o primeiro momento. Não deu um segundo de descanso à ditadura. Mas nunca se enquadrou em nenhum grupo. Era libertário e crítico demais para se enquadrar. Foi a grande inspiração de Glauco e Laerte. Mas Angeli é seco quando fala do Henfil. É que ele sofreu uma crítica severa quando decidiu fazer quadrinhos sobre crítica de comportamento ao, invés de críticas políticas. Logo Henfil, que é praticamente o pai da crítica de comportamento. Afinal, nada mais sick do que os Fradins.
Tem algo que eu desconfio, mas nunca ouvi nem li nada a respeito. O traço do Angeli é, certamente, o que possui maior influência do underground americano. Dado o temperamento de Henfil, acho provável que ele tenha tido alguma acusação de aculturação. Mas se houve, não há como saber. Angeli não fala sobre o assunto e Henfil..., bem, só se for em sessões espíritas...
Ziraldo
A primeira vez que vi o Ziraldo ao vivo e a cores foi em seu apartamento na Lagoa. Na época, eu era um jovem estudante de economia, usava um bigode estilo Nigel Mansell, bermuda curta e meias sociais azul-marinho até a canela (sim, eu já era bizarro). Estava na casa do Ziraldo fazendo uma entrevista para o jornal da faculdade. Ziraldo falou horas. É uma figura divertida, cheia de projetos e fala com muita propriedade. Ao mesmo tempo, superacessível e modesto.
Ziraldo foi comunistão (do PCB) durante a Ditadura Militar. Perseguido pelo seu trabalho como editor do Pasquim, foi diversas vezes preso. Encabeçou um projeto para uma distribuidora de tiras nacionais. Escreveu cartilhas para sindicatos e partidos. Produziu nos anos de 1960 a primeira revista brasileira colorida em quadrinhos: A turma do Pererê. Lançou - nos anos 1990 - a maravilhosa revista mineira de cultura A palavra (que teve dezessete números) em formato maior que a Caros Amigos e toda colorida. Ele é uma figura supersimpática, muito carismática e cheia de projetos mirabolantes (como aquele de abrir fábricas de macarrão para erradicar a fome no Brasil). Tem a habilidade de iniciar novos caminhos, mas se entedia rápido e precisa sempre de pessoas que assumam os projetos implementados para dar-lhes continuidade.
Muitos anos depois da entrevista que fiz em sua casa, reencontrei Ziraldo numa palestra que tive na ESDI, (num curso ministrado pelo Zuenir Ventura). Ziraldo continuava com seu humor leve e seu jeito carismático de contar histórias. No bate-papo com a turma, revelou que a quantidade de mulheres bonitas no mundo aumenta com o tempo. Explicou: "Quando tinha vinte anos eu achava as mulheres de 20 lindas. Com trinta eu continuei achando as mulheres de 20 bonitas, mas passei a admirar também as de 30. Com 40, eu gostava das de 20, 30 e 40. E assim sucessivamente. Agora eu estou com 60 e acho as mulheres de 20, 30, 40, 50 e 60 maravilhosas. Quer dizer, meu leque só aumentou."
Em 2002, quando eu trabalhava em São Paulo na Editora Globo, minha mãe me ligou e pediu o contato do velho comunista. Ela queria que o Ziraldo ilustrasse as apostilas que a Igreja Católica produziria para o ensino religioso nas escolas públicas. Eu ri... Imagina se um ateu como o velho Ziraldo iria se prestar a ilustrar o absurdo que é o ensino religioso na rede oficial. Tinha certeza que não! Mas não é que ela o convenceu. E ele trabalhou de graça. Não sei como ela consegui. Ela tinha 58 na época... epa!?!
Pô, Ziraldo, minha mãe não, né?
Alexandre Cabral
Cabral é uma figura ímpar. Como ele mesmo diz, só há uma coisa maior do que ele: seu ego. Foi colunista do Globinho durante alguns anos e - embora poucos saibam - defendeu as tiras nacionais quando o segundo caderno decidiu reformular a página de quadrinhos. Insistiu na manutenção de Urbano - o aposentado. Cortou as tiras seriadas. Enfim, comprou a briga interna do caderno defendendo o quadrinho nacional. Mas acabou ficando mais conhecido pelo seu trabalho com RPG e cardgame. Editou a Black Lotus e a Roleplaying.
A maior anedota sobre o Cabral, porém, foi quando decidiu mudar de profissão. Largou o jornalismo e fez concurso para Polícia Federal. A última vez que o vi foi pela televisão. Ele estava servindo de segurança para algum ministro que agora não me lembro. Um fim um tanto triste para um jornalista tão talentoso. Espero ainda ver os dois de volta ao mercado de quadrinhos: o Cabral e o seu ego. E que o diabo leve o raio do ministro...
Arthuro Vecchi
Quando Arthuro Vecchi chegou ao Brasil, tinha 17 anos e não falava nenhuma palavra em português. Trazia algum dinheiro e um conselho de seu irmão mais velho - por quem nutria uma admiração quase filial - "abra uma editora no Brasil. Lá é um país de grandes possibilidades."
Ainda não tinha acontecido a Segunda Grande Guerra e a Itália era considerada um país amigo. O fluxo imigratório para o Brasil era alto. Lothario, seu irmão, tinha feito fortuna com a venda de fascículos na velha bota européia. Arthuro fez jus ao sangue da família e montou no país uma pequena editora. A Vecchi começou sua história com venda de figurinhas colecionáveis. Cresceu graças ao tino e a ousadia de Arthuro, que fez vários movimentos arriscados. Certa feita, hipotecou até a casa para colocar dinheiro na editora. Foi sempre feliz em suas jogadas e teve muito mais lucros do que prejuízos no decorrer da vida.
Contra a vontade de todos, colocou os imóveis da editora em nome próprio. Medida considerada inapropriada porque restringia o capital fixo da empresa. "É melhor ter cautela para os dias incertos", respondia ele quando inquirido pelo filho. De fato, sua atitude salvou a família anos mais tarde, quando já nem estava presente.
Embora editor, não chegou a completar nenhum curso superior. Foi um homem que se fez sozinho. Não dava grande valor ao diploma e chegou a censurar os filhos que insistiram em se formar. Colocou o nome do irmão em seu primogênito e o manteve nos negócios durante toda a vida, o que gerou grande ciúme por parte dos outros filhos. A Vecchi terminou num emaranhado de brigas familiares após a morte de seu fundador, mas deixou um grande legado para a HQ Nacional. Das grandes editoras de sua época, provavelmente foi - junto com a EBAL - a mais importante produtora de HQ brasileira. Enquanto Lotario e Arthuro estiveram à frente de sua administração, a HQB conheceu dias prósperos.
Lotario Vecchi
Se tem algo que posso dizer a respeito do Lotario é que ele é uma das pessoas mais doces que já conheci. Tem uma fibra considerável, um humor leve, um grande carinho e uma boa dose de modéstia. É um paisão em todos os aspectos. Trabalhou com seu pai (o fundador da Vecchi) durante muitos anos. Levou a editora nas costas durante a crise dos anos 80. Foi afastado da diretoria por conta de brigas familiares que levaram a empresa à bancarrota.
Não o conheci nesse período. Já afastado da empresa, contam que se tornou agressivo durante sua falência (difícil acreditar, para quem o conhece hoje). Impotente, não foi capaz de ver todo seu trabalho sendo reduzido a nada. Passou dificuldades financeiras e acabou dando razão ao velho Arthuro, quando este decidiu colocar o prédio da editora em nome particular. Foi o que o salvou alguns anos depois. Enfrentou as adversidades e as superou.
Hoje, ama a pesca em alto-mar. É um pai amoroso, marido carinhoso, figura paciente e companheira. Tem uma longa experiência de vida e é uma das melhores companhias que conheço. Quando estou com ele, sinto aquela aura que Allan Moore conseguiu captar tão bem nas conversas dos dois Night Owns aposentados (Quem ainda não leu Watchmen terá de ler para entender o que digo). Enfim, o tenho em grande estima.
Projeto SobreSites | Sala de Imprensa | Usabilidade
Política de Privacidade | Condições de Uso | Torne-se Editor